Após desistência de clubes ingleses, Superliga Europeia é suspensa

Apenas dois dias após o seu anúncio, a Superliga Europeia foi suspensa nesta terça-feira, com a saída coletiva dos seis clubes ingleses. Manchester City, o primeiro a anunciar que deixou a polêmica competição, foi seguido por Manchester United, Liverpool, Arsenal, Tottenham e Chelsea. O recuo é consequência da forte oposição ao projeto, que recebeu manifestações contrárias de todos os setores do futebol – treinadores, atletas que estão na ativa e ex-jogadores, dirigentes, e sobretudo de torcedores.

Em nota, a Superliga comunicou que vai “reconsiderar passos mais apropriados para reformular projeto”. Também afirma que os clubes ingleses foram pressionados a sair. “Apesar da anunciada saída dos clubes ingleses, forçados a tomar tais decisões devido à pressão sobre eles, estamos convencidos de que nossa proposta está totalmente alinhada com as leis e regulamentos europeus, como foi demonstrado por uma decisão judicial para proteger a Superliga de ações de terceiros”, diz trecho da nota.

Os clubes ingleses estavam entre os 12 clubes fundadores que anunciaram a criação do novo torneio no domingo. Desde o anúncio, as equipes vinham sendo alvo de constantes críticas pelo sistema adotado pelo torneio e pela forma como foi criado, à margem da Uefa, maior detratora da competição. Outro temor era de que os atletas dos clubes da Superliga ficassem de fora da Copa do Mundo de 2022, no Catar.

O maior ataque de jornalistas, comentaristas e torcedores era em relação ao formato adotado, com a participação fixa de 15 times, os fundadores, sem qualquer possibilidade de rebaixamento ou acesso. O formato de “clube fechado” foi atacado até mesmo pelo próprio técnico do City, Pep Guardiola.

Na Espanha, apenas Real e Atlético de Madrid se mantinham firmes O Barcelona já preparava o desembarque da Superliga, mas sem se indispor. Antes que o desmanche do torneio fosse completo, a Superliga optou por anunciar a sua suspensão.

“A Superliga Europeia está convencida que o atual status quo do futebol europeu precisa mudar. Estamos propondo uma nova competição europeia porque o sistema existente não funciona. Nossa proposta se baseia em permitir o esporte a evoluir enquanto gera recursos e estabilidade para toda a pirâmide do futebol, incluindo ajuda para superar as dificuldades financeiras vividas por toda a comunidade do futebol na pandemia Também proporcionaria pagamentos de solidariedade materialmente aprimorados a todos os interessados no futebol”, registrou a organização do novo torneio, em comunicado.
Agência Estado

Siga nossa página no Instagram: instagram.com/plantaoregional

Siga nossa página no Facebook: fb.com/plantaoregionalms

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

%d blogueiros gostam disto: