anuncio
Psol barra em Porto Alegre o tratamento precoce utilizado em vários países contra COVID-19

“A oferta dos medicamentos fica proibida enquanto não existirem evidências robustas, baseadas em pesquisas clínicas e reconhecidas pela comunidade científica, da eficácia deles para o tratamento precoce da patologia”.

Com essa decisão, a desembargadora Lúcia de Fátima Cerveira manteve proibido o uso da terapêutica preventiva contra a covid-19 na rede pública de Porto Alegre (RS). Portanto, a população não pode usar a Ivermectina, a Azitromicina, a Hidroxicloroquina e a Cloroquina no enfrentamento ao coronavírus. A magistrada negou recurso da prefeitura da capital, que tentava reverter uma liminar concedida ao PSOL m primeira instância. Conforme a legenda, o tratamento não é eficaz.

Os advogados do Executivo municipal garantem que a decisão “retira a premissa básica do uso de um medicamento, sendo que a indicação cabe o médico”. Além disso, a ação destaca que o município se baseou em evidências científicas para autorizar a distribuição dos medicamentos. A prefeitura de Porto Alegre tem 20 dias para recorrer da decisão.

Reportagens publicadas na Revista Oeste mostram que cuidar da doença provocada pelo patógeno com antecedência ajuda a vencê-la. Pacientes com covid-19 utilizaram os remédios mencionados anteriormente e tiveram melhora no quadro clínico. Além disso, cidades que optaram pela terapêutica registraram menos internações hospitalares, como Porto Feliz (SP).

Revista Oeste

Siga nossa página no Instagram: instagram.com/plantaoregional

Siga nossa página no Facebook: fb.com/plantaoregionalms

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

%d blogueiros gostam disto: