anuncio
Totalitarismo sanitário: Governador do Rio Grande do Sul restringe vendas em supermercados

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), restringiu a venda de produtos considerados “não essenciais” pelos agentes estaduais dentro de estabelecimentos comerciais. A medida foi anunciada na sexta-feira, 5, e obriga os lojistas em todo o Estado, incluindo os donos supermercados, a retirarem das prateleiras itens comuns. Apenas alimentos, produtos de higiene e de limpeza podem continuar sendo comercializados in loco — a comercialização dos demais somente pode ser feita por tele-entrega.

Absurdo totalitário: impedimento de comprar algo que o governador Eduardo Leite considera como não essencial.

“Nossa intenção é reduzir a circulação de pessoas nos supermercados, para que elas se dirijam a esses estabelecimentos apenas para comprar itens essenciais”, afirmou o governador. “itens de higiene, limpeza e alimentação. Assim, reduzimos a circulação, a entrada e a permanência nesses estabelecimentos”.

Os comerciantes que não cumprirem as determinações poderão ser multados com valores que variam entre R$ 2 mil e 1,5 milhões — e ainda correm o risco de ter suas autorizações de funcionamento canceladas.

Através do Twitter, a deputa Bia Kicis, alertou sobre a medida que ela classificou como “ultrajante”.

 

Com informações Revista Oeste

Siga nossa página no Instagram: instagram.com/plantaoregional

Siga nossa página no Facebook: fb.com/plantaoregionalms

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

%d blogueiros gostam disto: