4 mil obras paradas podem ser retomadas

Uma parceria entre Conselho Nacional de Justiça (CNJ), governo federal e Ministério Público pretende destravar quase quatro mil obras que estão paradas no Brasil. A iniciativa faz parte do programa “Destrava”, lançado pelo Judiciário em 2020.

Na terça-feira 9, se reuniram para falar sobre o projeto o presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e outras autoridades, como o procurador-geral da República, Augusto Aras.

Fux apresentou um levantamento segundo o qual há 3.921 obras paradas no Brasil. Com investimentos orçados em R$ 144 bilhões, os empreendimentos consumiram cerca de R$ 10 bilhões até agora.

A maior parte dos problemas vem de processos que poderiam ser revisados pelo Poder Executivo, como erros de projeto. Entre os principais motivos para os atrasos, somente 6% estão relacionados a pendências com a Justiça, com o Ministério Público ou com os Tribunais de Contas.

Paulo Guedes

Ao discursar no evento, o ministro Paulo Guedes disse apoiar a iniciativa do CNJ, mas fez um alerta sobre a falta de espaço no orçamento para prosseguir com as obras públicas e a limitação imposta pelo teto de gastos.

 

“Evidentemente, o governo quer tocar tudo que for possível. Vamos destravar. Eu estou sempre junto”, declarou.

 

Fux ressaltou que a iniciativa do CNJ pretende estimular a economia, principalmente num momento de recuperação da pandemia. Segundo ele, os encontros ainda estão em fase inicial. Outras reuniões estão previstas ao longo de 2021.

 

Revista Oeste

Siga nossa página no Instagram: instagram.com/plantaoregional

Siga nossa página no Facebook: fb.com/plantaoregionalms

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

%d blogueiros gostam disto: