1/3 dos médicos acredita no tratamento precoce, diz pesquisa

Embora o tratamento precoce ainda encontre resistência de parte da comunidade científica, levantamento realizado pela Associação Médica Brasileira (AMB) mostra que 1/3 dos médicos vê algum tipo de eficácia no tratamento precoce no combate à covid-19. Segundo a pesquisa, feita com 3.882 profissionais em formato online, 34,7% fazem essa avaliação para a cloroquina e 41,4% para a ivermectina.

Atendimento precoce

Como em todo e qualquer tratamento, a intervenção precoce em uma doença pode evitar mortes. Para o tratamento de um câncer, por exemplo, quanto mais cedo forem o diagnóstico e o início da terapêutica, mais chances de cura terá o paciente. O mesmo se aplica a uma pneumonia bacteriana. Quanto antes se iniciar o tratamento com antibióticos, maiores serão as chances de recuperação do paciente.

Com a covid-19, funciona a mesma lógica. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, menor será o risco de o paciente necessitar de um respirador para lutar contra a doença. Apenas um em cada três pacientes graves de covid-19 que são intubados nas UTIs brasileiras se recupera e consegue voltar para casa. A mortalidade entre esses doentes é de 66%, de acordo com um levantamento do Projeto UTIs Brasileiras, da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib) e do Epimed, uma ferramenta de análise de dados e desempenho hospitalar.

Entretanto, mais de 60% dos entrevistados para a pesquisa da AMB responderam que a cloroquina é ineficaz e 58% fizeram essa avaliação para a ivermectina. Ainda que não haja comprovação científica, existe uma série de evidências clínicas que mostram a eficácia de medicamentos, alguns deles com mais de 50 anos no mercado, vendidos sem prescrição médica e com baixo risco. “Existem cerca de 200 estudos publicados nas mais respeitadas revistas científicas do mundo relatando o sucesso de alguns remédios no tratamento da covid-19”, observou o psicólogo Bruno Campello, pesquisador da Universidade Federal de Pernambuco.

 

Fonte: Revista Oeste

Siga nossa página no Instagram: instagram.com/plantaoregional

Siga nossa página no Facebook: fb.com/plantaoregionalms

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

%d blogueiros gostam disto: