anuncio
Antes de ser capturado no Paraguai, ‘Bonitão’ do PCC ordenou fechamento de cassino de Fahd Jamil

Antes de ser capturado e expulso do Paraguai, Giovani Barboza da Silva, o ‘Bonitão’, do PCC (Primeiro Comando da Capital) teria invadido o cassino que seria de Fahd Jamil ordenando seu fechamento. O chefão do PCC estava visitando a esposa, quando acabou preso e expulso para o Brasil.

A ação do grupo de ‘Bonitão’ aconteceu 24 horas antes de ser capturado pela polícia paraguaia. Ele invadiu o cassino na fronteira e teria ordenado aos funcionários o fechamento imediato do local, segundo informações do site ABC Color. Outros negócios de Fahd Jamil também teriam sido alvos de ‘Bonitão’.

Após a ação do chefe do PCC na fronteira, ele acabou sendo localizado e preso e em seguida expulso para o Brasil. Ele foi achado após à polícia monitorar através de escutas telefônicas uma de suas mulheres, que estava em Pedro Juan Caballero.

Giovani acabou escapando do cerco da polícia em novembro de 2020, quando estava em São Paulo na companhia de uma de suas mulheres. Ele estava em um Hyundai HB20 quando conseguiu escapar. Ainda em novembro, a polícia deflagrou uma operação na fronteira onde o chefão do PCC teria se escondido após o sequestro e assassinatos de dois sobrinhos de Fahd Jamil, Riad Salem e Muriel Correa. Na Operação Lagoa Azul foram apreendidos documentos de um veículo, que estaria no nome de uma das mulheres de ‘Bonitão’, filha de um dos colaboradores do PCC, segundo o site ABC Color. Após a operação, a polícia fez um monitoramento da mulher do chefão do PCC, com escutas telefônicas.

Giovanni, o ‘Bonitão’, apontado como liderança do PCC na fronteira (Divulgação)

Confronto e morte de 8 membros do PCC

Oito membros da facção morreram em um confronto com policiais do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros) DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e o Bope (Batalhão de Operações Especiais), na noite de segunda-feira (11), em Ponta Porã, após a descoberta de uma casa de apoio da facção.

Eles foram identificados inicialmente como: Diego Marcial Moraez González, de 28 anos, Oscar Prieto Davalos, de 23 anos, Blas Daniel Moraez González, de 18 anos, Edison Prieto Davalos, de 27 anos, Daniel Irala de Santa Ana, Fredy Portillo de Santa Teresa, Ruben Dário e Alcides Trinidad, de 19 anos.

Fonte: Mídiamax.

Siga nossa página no Instagram: instagram.com/plantaoregional

Siga nossa página no Facebook: fb.com/plantaoregionalms

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

%d blogueiros gostam disto: